Para lembrar nº 3 - Clínica-Escola com Jorge Forbes no IPLA

26/06/2010 03h31

 

Março/abril/maio 2010

 

  • Uma análise começa quando o analisando se implica.
  • O paciente chega com uma queixa; o analista transforma essa queixa numa queixa analítica através de suas intervenções.
  • O analista age pelo equívoco e pela surpresa, não pelo confronto. O confronto é o "clinch" do boxe. A intervenção via surpresa ou via equívoco, desloca o paciente.
  • Na retificação subjetiva o agente é o analisando; ele se responsabiliza e sai da queixa.
  • A segunda clínica de Lacan anda a 300 km/hora. O analista iniciante deve ser cauteloso para andar nessa velocidade, ter cuidado com os equívocos.
  • A psicanálise não tem protocolos de sentimentos. A psicanálise lida com a singularidade.
  • O discurso do médico é o discurso do mestre: engessa o paciente. O analista quer a radical diferença. (JF lembra o último parágrafo do Seminário XI de Lacan):

   O desejo do analista não é um desejo puro. É um desejo de obter a diferença absoluta, aquela que intervém quando, confrontado com o significante primordial, o sujeito vem, pela primeira vez, à posição de se assujeitar a ele. Só aí pode surgir a significação de um amor sem limite, porque é fora dos limites da lei, somente onde ele pode viver.

 

  • A neurose é uma mentira: tanto a histeria quanto a obsessão levam à harmonia com o mundo. O duro é você suportar alguma coisa fora da lei, o que é excêntrico.
  • A ética maior da psicanálise é não ceder em seu desejo, o que significa: não se conformar frente às respostas prontas. Toda queixa é narcísica.
  • Instalar-se na ética do desejo é sair da moral dos costumes e entrar em outra cena.
  • O avesso da psicanálise: retomar Freud por aquilo que excede o princípio da realidade.
  • O sintoma é excêntrico - é o que singulariza cada um.
  • O mecanismo lógico do homem é o olhar do Outro.
  • "Associação livre" é associação livre da moral dos costumes. A liberdade não é para quem quer, mas para quem pode; quem pode é o psicótico.
  • Lacan diz que o analista dirige o trabalho do analisando; ele não trata o analisando. O analisando trabalha, e a presença do analista é o que possibilita esse trabalho.
  • JF lembra a história de "Os três mosqueteiros" de Alexandre Dumas e faz uma relação com a análise: a idéia da análise é retirar a pessoa da posição burguesa e colocá-la na posição aristocrática.
  • Um discurso sem palavras: a análise não se define pelo que se fala, mas desde onde se fala. Se alguém fala desde a posição de analista, isso tem um efeito analítico independente do que se fala. O local, a posição, é pré-existente à fala.
  • Não existe: "Nunca diga isso ao paciente" ou "sempre diga isso". Não existe uma régua analítica, mas sim, efeitos do que o analista diz. Ou seja, não vale o enunciado, e sim, a enunciação.
  • Uma psicoterapia trabalha a novela (a desgraça) do paciente. Nesse caso não há análise, não há mudança na posição de gozo do paciente.
  • O paciente acredita na sua história, no determinismo, mas o analista não pode acreditar nisso. O analista tem formas de balançar essas certezas.
  • O sofrimento do passado é uma justificativa do medo do futuro.
  • O analisando olha para o analista como um mestre; o analista tem que sair dessa posição e ir para a posição de analista.
  • As pessoas vão ao médico para que ele retire a sua dor. Elas esperam a mesma solidariedade do analista. Quando este diz "não entendo", o analista sai da expectativa do analisando.
  • Ao não responder à expectativa do analisando, o analista não potencializa o conhecimento. Ele mostra o caminho do impossível.
  • O analista é i-humano (ou i-mundo, onde i = raiz de -1, um número imaginário). Ele trabalha no disparate, fora do par.
  • O analista é aquele capaz de ocupar o lugar do i, o número imaginário.
  • O analista é imaginário, não pode ser provado.
  • Se o analista coloca o analisando no confronto, este foge e volta para o tamponamento da angústia. Nesse caso, o analista devolve o sintoma para o analisando. Sair disso é ir para o equívoco, para o inesperado. (JF cita o primeiro parágrafo do Seminário I de Lacan):

 O mestre interrompe o silêncio com qualquer coisa, um sarcasmo, um pontapé.

 

Leituras citadas / recomendadas nessas aulas clínicas:

  • Construções em análise (Freud, 1937/1969 : Imago - Vol. XXIII)
  • O estranho (Freud, 1919/1969: Imago - Vol. XVII)
  • O inquietante (Freud, 1919/2010: Cia das Letras - Vol. 14)
  • Fixões (Forbes , 1989 - Texto apresentado nas 14as Jornadas de Psicanálise: Desejo ou Gozo - Biblioteca Freudiana Brasileira; São Paulo, http://migre.me/M3SC)
  • Você está em análise? (Forbes - Revista Psique, nº 51, março 2010, http://migre.me/M2xz)
  • Não tenho a menor idéia (Forbes - Conferência de Jorge Forbes apresentada no VIII CONGRESSO da EBP - ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE: "O ANALISTA E OS SEMBLANTES" - Florianópolis, 3 e 4 de abril de 2009, http://migre.me/M39y).
  • Ser analista (Forbes - Colóquio "Psicanálise: identidade e diferenças", 1990, http://migre.me/M3LL)
  • Emprestando consequência (Forbes - texto do livro "Você quer o que deseja?", 2003, http://migre.me/M3NS)
  • De nossos antecedentes (Lacan, 1966/1998: Escritos)
  • O aturdito (Lacan, 1972/2003: Outros Escritos)
  • O mito individual do neurótico (Lacan, 1953)
  • Os escritos técnicos de Freud (Lacan, 1953-1954/1986: Seminário I)
  • Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (Lacan, 1964/1988: Seminário XI)
  • O avesso da psicanálise (Lacan, 1969-1970/1992: Seminário XVII)

Sinopse de Teresa Genesini

Versão em PDF - clique para download